11 de fev de 2010

Filme: A Fita Branca (Das Weisse Band), dir. Michael Haneke, 2009

O filme é meio lento, mas vale ser visto, pois mostra muito bem o cenário social no qual Freud deduz sua teoria sobre recalque, neurose, desejo, frustração etc. Estão lá, nesta pequena aldeia, microcosmo de toda Alemanha, tudo contra o qual Nietzsche lutava, a hipocrisia luterana, o policiamento sexual, o autoritarismo, o patriarcalismo sádico, a austeridade, o culto à dor, a seriedade, em suma tudo o que fermenta um povo neurótico, idólotra e sádico, ou seja, o ninho de onde surgirá Hitler.

Sinopse: "Às vésperas da Primeira Guerra Mundial, estranhos eventos perturbam a calma de uma pe- quena cidade na Alemanha. Uma corda é colocada como armadilha para derrubar o cavalo do médico, um celeiro é incendiado, duas crianças são seqües- tradas e torturadas. Gradualmente, estes incidentes isolados tomam a forma de um sinistro ritual de pu- nição, deixando a cidade em pânico".

Direção: Michael Haneke
Roteiro:
Michael Haneke
Título Original: Das Weisse Band
Origem: Áustria/Alemanha/França/Itália
Duração: 138 min
Idioma: Alemão/Italiano/Polonês/Latim
Legendas: Português
Formato: rmvb*
Tamanho: 460 MB
Servidor: Rapidshare




Download via rapidshare legendado:

http://rapidshare.com/files/309154255/2009.fit.branc.part1.rar
http://rapidshare.com/files/309154255/2009.fit.branc.part1.rar
http://rapidshare.com/files/309172806/2009.fit.branc.part3.rar

2 comentários:

  1. "o homem nasce puro, e a sociedade o corrompe".

    [as fitas brancas são para lembrar de quando existia inocência, não?!]

    E como o próprio Haneke disse em entrevista à revista New Yorker: "em nome de uma coisa boa vc pode se tornar um assassino!"

    ResponderExcluir
  2. Haneke troca esse senso comum pelo seguinte: o homem é o que é, mas o falso moralismo o torna neurótico, que é o cenário em que Freud descobre a sexualidade humana imanente e revela pessoas em sofrimento. A fita branca então é o signo do falso moralismo luterano, feito para um ser humano idealizado, que não existe (um adolescente que não se masturba, que não fala palavrão, que obedece sem pensar etc).

    ResponderExcluir