12 de jun de 2009

Filme: La Bataille d'Alger (A Batalha de Argel), dir.Gillo Pontecorvo, 1965

Um dos meus filmes favoritos. Nessa época, gostei da definição que Sartre dá ao De Gaulle: o ego para os psicanalistas vive espremido entre o id (desejo absoluto) e o superego (autocensura), assim como nosso De Gaulle, espremido entre a vontade dos USA e URSS.

Sinopse
"O filme retrata a revolução que houve na Argélia na década de 50. A população desse país queria se libertar dos franceses, que por sua vez queriam manter a Argélia como colônia. A tortura realizada pelos soldados da França contrasta com as bombas caseiras utilizadas pelos argelianos".

Tamanho: 405.87 MB
Áudio: Francês, Árabe
Legenda: Português
Formato: RMVB
Gênero: Drama, Guerra

Trailer e comentário:

A cara de pau dos milicos franceses:
"O coronel encarregado da repressão à rebelião expressa seu desagrado com a dificuldade que representa ter um nome do peso de um Sartre contra sua estratégia. Um artigo num jornal da metrópole cria dificuldades políticas para a autoridade do Estado (defendendo o uso da tortura e execução sumária), dificultando e atrasando a tarefa da repressão".


P.S Rito sumário em direito processual é o mais breve e sem entraves possível, entenda-se: execução sem julgamento.
O Princípio do Devido Processo Legal (isso, sou filósofo, mas fiz 4 anos de Direito na PUC), ou seja, ninguém pode ser julgado sem direito a defesa é uma pedra de toque do Estado de Direito, tão universalmente defendido pela própria França, maior "defensora do republicanismo". Mas é aquele negócio... faça o que eu falo, não o que eu faço!

O filme ficou proibido na França até 1971 e no Brasil durante a Ditadura Militar. Recebeu 3 indicações ao Oscar, nas categorias de Melhor Diretor, Melhor Filme Estrangeiro e Melhor Roteiro Original. Ganhou o Leão de Ouro e o prêmio Fipresci no Festival de Veneza de 1966.

Sobre o diretor: Gillo Pontecorvo era um jovem tenista playboy que viajava a Europa disputando torneios internacionais. Foi depois de um desses, em Paris, que conheceu e se aproximou de gente como Picasso, Stravinsky e Sartre. Pouco tempo depois, se tornaria um dos maiores diretores do cinema político da nossa história. Graças à sua noção de movimentação adquirida no tênis de competição ele conseguiu dar velocidade às cenas e criou uma obra de referência para o cinema.



Download do filme via megaupload (legenda já embutida):
http://www.megaupload.com/pt/?d=HZE33TFJ

Download da legenda em português (pra quem quiser):
http://rapidshare.com/files/155130699/A_Batalha_de_Argel.zip.html

5 comentários:

  1. é um dos melhores filmes que já assisti. do pontecorvo também assisti ao Queimada e é ótimo também. Consegue ser didático sem ser discursivo. muito bom.

    ResponderExcluir
  2. Sabe de algum link pra baixar ou se já saiu em DVD, gostei muito do Pontecorvo, mas esse aí é difícil de encontrar. Valeu.

    ResponderExcluir
  3. Queimada eu tinha visto há séculos, ou pelo menos no século passado rs, na época do vhs. Depois vi um link no piratebay, digite "burn-1969" sem as aspas.
    por acaso achei lá este link do kapó (ainda não assisti), basta digitar pontecorvo no campo de busca.

    abs

    ResponderExcluir
  4. Luciano, meu nome é Gustavo. O seu blog, além de uma seleção primorosa de filmes, possui artigos dignos de copiar e salvar. Já inclui, entre meus favoritos

    ResponderExcluir
  5. Olá, Gustavo, fico muito agradecido. Mas viu que não atualizo o blog há algum tempo, defendo minha tese na terça dia 29/11, depois disso tenho uma boa seleção pra postar, incluindo o violentíssimo Filme Sérvio. Valeu!

    ResponderExcluir