1 de jan de 2010

Filme: To Verdener (Worlds Apart, Mundo à Parte ), dir.Niels Arden Oplev, 2008

RAZOÁVEL PRA BOM

Drama dinamarquês que explora o conflito entre os dogmas dos "Testemunhas de Jeová" e os hábitos ocidentais (eles não devem ter gostado do filme, é lógico). Obviamente há um tanto de exagero no rigor dos preceitos explorados, principalmente porque o olhar da obra é ocidentalizado.
Aproveitando o tema, podemos acrescentar que acreditar em que o sol nascerá amanhã é tão indemonstrável, tão ilógico quanto acreditar em deus (isso, é minúscula mesmo porque sou ateu), toda nossa projeção ao futuro _"o sol vai nascer amanhã, tudo que sobe desce, etc." é baseada em crença. O problema das superstições religiosas não está na crença em si, já que todo humano faz uso desse artifício, mas na doutrinação, os crentes não se contentam em acreditar, eles querem transferir à força suas crenças, supostamente eternas e universais, ignorando que cada cabeça é capaz de criar seus próprios hábitos mentais, suas próprias certezas para se relacionar com a realidade, ou seja, toda religião é autoritária, geralmente busca poder e controle, logo merce ser ignorada.
O filme é meio morno, mas é assistível. Os atores não são brilhantes, porém não estragam as cenas, a trama é meio clichê: mocinha religiosa se apaixona por rapaz de fora da seita e a família o renega.

Ficha Técnica:
Título Original: To verdener
País de Origem: Dinamarca
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 116 minutos
Ano de Lançamento: 2008
Site Oficial:
Estúdio/Distrib.: Nordisk Film
Direção: Niels Arden Oplev



SINOPSE: "A filha de um casal Testemunha de Jeová é forçada a escolher entre a religião e o amor quando se apaixona por um rapaz que não pertence à fé de sua família".

Download da legenda em português:
http://www.opensubtitles.org/pb/subtitles/3444580/to-verdener-pb

Download via Rapidshare
:
http://rapidshare.com/files/203989763/To_verdener.part1.rar
http://rapidshare.com/files/204002744/To_verdener.part2.rar
http://rapidshare.com/files/204015102/To_verdener.part3.rar
http://rapidshare.com/files/204028262/To_verdener.part4.rar
http://rapidshare.com/files/204042003/To_verdener.part5.rar
http://rapidshare.com/files/204055354/To_verdener.part6.rar
http://rapidshare.com/files/204067652/To_verdener.part7.rar
http://rapidshare.com/files/204088168/To_verdener.part8.rar

Torrent com legenda:
http://www.4shared.com/file/120876641/ed453baf/To_verdener__2008_.html

11 comentários:

  1. Para quem conhece bem essa seita, o filme nao tem nada de exagerado.. é exatamente uma cópia da realidade pela qual inúmeros adolescentes passam. A expulsão é fato, o tratamento q se recebe da familia e dos membros é exatamente aquele muito bem demonstrado no enredo do filme, sem exageros ou "rigor nos preceitos explorados". O filme foi rigorosamente fiel aos preceitos doutrinais das TJ.

    ResponderExcluir
  2. Pelo pouco que conheço, no Brasil, os médicos de pronto-socorro ignoram completamente qualquer impedimento religioso para efetuar transfusão de sangue. O paciente que a recebe deveria ser desligado da seita, contudo, segundo os médicos, isso não ocorre e já existe um movimento dissidente aberto dentro da própria seita: Testemunhas de Jeová Associadas Para Reforma na Questão do Sangue, é um sinal de flexibilidade que o filme dá a entender que não existe. (Obviamente não tenho mais informações a respeito, até porque a única coisa que me interessa em religião é a sua extinção).

    ResponderExcluir
  3. Que o sol deve nascer amanhã é crença ou empirismo?
    Existe ainda outra diferença: o nosso conhecimento a respeito do nascer do sol mudou com os passar dos séculos, novas descobertas foram feitas: que é a Terra que gira sobre si e ao redor do sol; que o sol também gira sobre si etc. Na religião não é assim, a verdade é estática, toda a realidade tem que se amoldar a ela, ou sofrerá as conseqüências.

    Francamente, não me incomoda que alguém tente me convencer da existência de deus, acho natural, uma vez de que este alguém esteja convencido estar de posse da Verdade, o que tem a fazer é tratar de divulgação.

    Ocorre, por outro lado, que os crentes não estão muito preparados para ouvir/aceitar quem se declara descrente, não aceitam. Um saco.

    Quanto ao autoritarismo religioso, eu acredito que ele tem duas fontes: primeiro, parte da premissa de que conhecem a Verdade e, segundo, porque as religiosos, os sacerdotes, desde os primórdios do processo civilizatório humano sempre estiveram no poder, sempre estiveram de alguma maneira atrelados ao Estado e nunca titubearam em usar o chicote.

    ResponderExcluir
  4. Não pode ser empirismo porque se trata de experiência que não aconteceu ainda, segundo os empiristas, só "a" experiência ensina. Logo, antecipar o nascimento do sol é fundar uma verdade antes da experiência, então só pode ser crença, não um raciocínio. Este é o conhecido desafio de Hume que Kant "diz" ter solucionado com as "verdades" a priori.
    Aceitar que a hipótese de posse da Verdade permite a conversão de outros praticamente exterminou os índios da América, engendrou a guerra santa, o nazismo etc.
    O homem se comunica e toda informação divulgada é apenas um convite para a formação de valores práticos, só isso (como isso que acabo de escrever).
    Justamente, os católicos falam dos fundamentalistas islâmicos, mas toda religião tradicional é fundamentalista, porque esta surgiu para fundar ou manter coeso um povo que estava sob o jugo de outro (povo hebraico sob o Egito, depois Roma etc.) _ para que se cumprissem preceitos de ordem prática "não matarás, não roubarás..." . Com um poder soberano, a lei, isso não tem mais função.

    ResponderExcluir
  5. Entendi, mas se eu faço um cálculo matemático que descreva a órbita de um objeto celeste e ele se comporta exatamente como previ, qualquer pessoa poderá aplicar o conceito a qualquer outro evento desse tipo em qualquer tempo, até que apareça um outro evento que contradiga minha teoria. O nascer do sol está mais para potência e certeza do crença. Não seria isso?

    Acho que os índios seriam exterminados de qualquer jeito, eles lutaram contra a dominação e isso é a última coisa que um colonizador quer ouvir falar. Note que países cristãos no decorrer da História não se cansam de entrar em guerra entre si e cometerem as maiores barbaridades. Business, business.

    O problema da religião é que ela se baseia na fé, e esta, assim como o poder do Estado, não pode ser questionada. Já a Ciência pode e deve ser questionada sempre.

    Por mais que a existência de deus seja improvável, incoerente, desconectada da realidade, acho difícil, para não dizer impossível provar sua inexistência. Afinal, até agora, ninguém tem a resposta de como tudo surgiu.

    ResponderExcluir
  6. Pô, Mauro, mas a sua saída (empregando os conceitos aristotélicos, potência e ato, assim como o idealismo de Kant) para o famoso dilema de Hume é o que se tornou um ramo do conhecimento denominado Teoria da Ciência (inclusive com uma linha contemporânea de neo-aristotélicos). Se você pesquisa um pouco mais e desenvolve isso em umas 6 págs, já tem um pré-projeto de Filosofia da Ciência para o mestrado. Eu não vou me meter nessa confusão rsrsrsrs. Minha linha é comodamente um passo atrás hehehe.
    Com relação aos índios, segundo os marxistas, pela própria expansão do capital, não haveria como eles não entrarem em contato com os brancos e conhecerem Tifo, Peste, Sarampo, Gripe, Sífilis etc. e morrerem em pelo menos 90%. Mas eu tenho que usar um pouco de retórica, drama, exagero pra balançar a convicção religiosa do brasileiro, que é muito forte. (Por isso recusei a publicação oficial de textos desse bloguinho, porque a exigência teórica seria muito, muito maior hehehe tô fora, o bloguinho é meu relax).

    ResponderExcluir
  7. O pessoal desse campo vive jogando xadrez do tipo: vou calcular a órbita de um objeto celeste. Mas que objeto celeste é esse? É aquele que tem uma órbita possível de ser calculada. Ora, se isso é uma certeza então vc afirmou o que deveria provar. Se não é uma certeza, então é crença, tal como a regularidade do mundo, o que aconteceu ontem se repetirá amanhã, (que também deveria ser provado antes do cálculo) e por isso posso calcular a órbita e por aí vai.

    ResponderExcluir
  8. Seis páginas! Tá brincando!?! hahaha... na verdade eu não manjo de filosofia, eu fiquei pensando sobre o assunto e achei que seria uma 'saída' para o problema que você colocou. No entanto, sua resposta me estimulou a começar a ler sobre o assunto. Eu tenho aqui um livro chamado História da Filosofia (Padovani, Castagnola) que pode ser uma boa introdução, se bem que parece ter uma influência lascada de cristianismo... paciência.

    Olha, balançar certas convicções, realmente, é um trabalho pesado. Você pode esfregar uma contradição ou incoerência bíblica na cara do fulano que ele não arreda o pé. Conheço poucas pessoas que conseguem mudar de opinião numa discussão.

    Agora, imagine um ateu casado com uma religiosa... se bem que... até que durou bastante hahaha.

    ResponderExcluir
  9. Sim, existe uma regularidade no movimento dos astros, os antigos perceberam isso e criaram seus observatórios. Mas, observados da Terra, esses fenômenos podem nos enganar, tal como, estamos no centro do Universo. Daí aparecem uns malucos como Copérnico, Newton, Galileu, Gauss e a coisa muda de figura. Nem sempre se conheceu a gravitação dos corpos, ou a aceleração e tal.
    O corpo celeste não é necessariamente conhecido, Plutão foi percebido pelo desvio da órbita que causava em outro planeta bem antes de ser avistado. Ou seja, a partir de um modelo foi possível 'antever' um fenômeno.

    ResponderExcluir
  10. Então, vc tem que sair desse círculo: existe uma regularidade no movimento dos astros. Mas o que é um astro? Aquilo que se movimenta de modo regular. Racionalmente isto é uma petição de princípio, vc afirmou o que deveria provar. Depois tem que dar conta de outros dilemas: qual a diferença de uma órbita com um sujeito que passa todo dia em frente a sua janela no mesmo horário? Por aí vai... no fundo alguma etapa do pensamento vai exigir a crença.
    Esquece esse caminho de História da Filosofia, pelo seu nível já pode ler diretamente "Investigações sobre o entendimento humano" do Hume, ed. Unesp. Das dúvidas que surgirem vc parte para a História, como auxiliar. No caso vc já é pensador e não historiador, seu caminho pode ser do pensamento para a História e não o contrário. Pode ler também Estrutura das Revoluções Científicas, Kuhn e Esboço para uma teoria das emoções, Sartre (onde ele propõe uma diferença entre positivismo e idealismo, bem acessível ao entendimento). Pronto, com 3 livros vc já tem um puta pré-projeto de Mestrado em Teoria do Conhecimento ou Filosofia da Ciência.

    ResponderExcluir
  11. Luciano, obrigado pela dica! Vou atrás dos livros.
    Andei pensando ainda sobre a questão da crença, mas prefiro me municiar melhor antes de voltar à carga :)

    valeu!

    ResponderExcluir